FLUXO DE CAIXA PARA PEQUENAS EMPRESAS: DICAS PARA TORNÁ-LO MAIS EFICIENTE

Fazer o fluxo de caixa para pequenas empresas é essencial para quem deseja ter mais lucratividade e tornar o negócio sustentável. No entanto, poucos gestores usam essa ferramenta de forma eficiente.

De acordo com uma pesquisa da Intuit Quickbooks, 70% dos pequenos negócios não têm planejamento financeiro. Além disso, metade vai à falência antes dos cinco primeiros anos de existência por problemas  econômicos.

Para contornar essa situação, continue lendo o artigo que preparamos para deixar seu controle mais eficiente. 

O que é um fluxo de caixa para pequenas empresas?

O fluxo de caixa é uma ferramenta para apurar e projetar todos os dados financeiros de uma empresa a partir da movimentação de entradas e saídas de dinheiro. Ou seja, é o hábito de registrar todas as vendas do negócio e os gastos com as despesas básicas, aluguel, compra de insumos e pagamentos de funcionários.

Quando ele é feito de forma eficiente, ajuda o gestor a ter uma visão mais ampla do seu negócio, possibilitando prever um correto capital de giro, melhorias e corte de custos.

Qual a importância do fluxo de caixa para pequenas empresas?

A partir do registro de todas as entradas e saída de dinheiro, essa ferramenta fornece informações precisas sobre diversos aspectos financeiros da empresa. Logo, ajuda a gestão a controlar melhor não só as finanças, mas também suas estratégias de crescimento.

Do mesmo modo, o fluxo de caixa para pequenas empresas ainda auxilia o empreendedor a cumprir com suas obrigações, inclusive tributárias, a se organizar para que todos os seus compromissos sejam cumpridos, a reduzir gastos e cortar despesas desnecessárias.

Principais problemas que a falta de controle do fluxo de caixa pode causar?

Acompanhar detalhadamente tudo o que entra e sai na empresa é essencial para planejar as próximas estratégias e crescer de forma sustentável. Mas a falta de controle pode provocar diversos problemas, como os listados a seguir.

Gastar mais do que recebe

Esse é um dos problemas mais comuns quando não se faz o fluxo de caixa corretamente. Sem o controle exato das finanças do negócio, o gestor pode contrair dívidas ao contar com um pagamento que só vai entrar daqui dois ou três meses no caixa.

Além disso, existem despesas diárias e mensais para a operacionalização do negócio, como pagamento de internet e compra de insumos. Como as contas não param de chegar, a tendência é que o gestor gaste mais.

Controle de estoque errado

A falta de um fluxo de caixa para pequenas empresas geralmente impacta negativamente no controle do estoque. Isso porque sem acompanhar as vendas, o empresário pode perder oportunidades quando a demanda cresce.

Por outro lado, ele pode prejudicar as contas da empresa quando compra mais produtos do que está vendendo. E não se esqueça que estoque parado é dinheiro desperdiçado.

Aumento da dívida e até falência

Sem um parâmetro real do momento do negócio, o gestor pode contrair ainda mais dívidas para manter as operações e depois não conseguir reverter o cenário e levar a empresa à falência.

5 dicas que ajudam a controlar o fluxo de caixa nas pequenas empresas de forma eficiente

Embora seja importante registrar todas as entradas e saídas de dinheiro da empresa, um fluxo de caixa eficiente vai além dessa atividade. Veja a seguir cinco passos que o tornam ainda mais eficiente.

Acompanhe seu fluxo de caixa diariamente

Registrar todo o valor gasto ou recebido precisa tornar-se um hábito em sua empresa e ser feito diariamente. Não importa se você só pagou uma conta de energia ou realizou apenas uma venda naquele dia. Anote!

O acompanhamento irá te ajudar a ter uma visão mais ampla das suas finanças, planejar melhor as próximas compras de insumos e até mesmo saber como reduzir custos.

Registre todas as contas a pagar e a receber

Um fluxo de caixa para pequenas empresas eficiente precisa incluir todas as contas, inclusive aquelas que serão pagas só no final do mês. Anotar apenas as movimentações do dia pode dificultar a análise precisa das finanças.

Nesse sentido, é essencial detalhar todas as contas que precisam ser pagas (como internet, energia, aluguel, funcionários) e aquelas a receber, como uma venda feita no cartão que só entrará daqui 20 dias.

Diferencie despesas e receitas

Do mesmo modo que é importante registrar todas as contas, é preciso também separar o que é despesa de receita. 

O saldo em caixa é composto por esses dois ativos e o registro correto ajuda a projetar quanto a empresa terá disponível no final do mês. Ou seja, permite que o empreendedor consiga cumprir todas as suas obrigações financeiras e ainda elaborar estratégias de expansão.

Classifique as movimentações financeiras do negócio

Um bom fluxo de caixa para pequenas empresas precisa ser categorizado entre despesas e receitas. Portanto, ao fazer sua planilha, separe os ativos que  entram (vendas a vista, a prazo) dos que saem (pagamento de fornecedores, salários, luz, aluguel, empréstimos).

Da mesma forma, classifique os gastos por prioridade (tributos, pagamentos e funcionários), tempo e forma de pagamento. Isso ajuda a gerir melhor o dinheiro e não ter surpresas desagradáveis posteriormente.

Use tecnologia para automatizar seu fluxo de caixa

Com um sistema automatizado, as contas a pagar e receber são atualizadas automaticamente assim que uma venda é realizada ou um fornecedor é pago. 

Ele ainda evita erros manuais e fornece relatórios e gráficos mais detalhados e precisos, ampliando a visão do negócio por parte do empreendedor, que consegue tomar decisões mais assertivas.

Quer começar agora a organizar as entradas e saídas de valores na sua empresa? Então, faça o download da nossa Planilha de Fluxo de Caixa Anual, uma ferramenta que facilita o controle financeiro do seu negócio.

DEIXE UM COMENTÁRIO